Blog Daora

PUBLICIDADE
Topo

Blog Daora

Kafta, o prato persa que conquistou o mundo

Pedro Marques

07/05/2019 19h28

Cuscuz marroquino com kafta, do chef Raul Lemos (crédito: Keiny Andrade/Folhapress)

Existem receitas que ultrapassam os séculos e civilizações. E a kafta sem dúvida é uma delas. De origem persa, o nome significa "moído" e é apreciado por uma boa parcela da população global. Está presente na Índia, na Ásia Central, Bulgária, Chipre, Israel, Jordânia, Palestina, Líbano, Marrocos, Paquistão, Romênia e Turquia. É gente para valer.

Um dos motivos de sua popularidade é a facilidade de ser preparado: a carne moída – boi, cordeiro e frango são as mais usadas – é temperada e amassada em forma de almôndegas ou moldada em volta de espetinhos que depois são levados para grelhar em uma churrasqueira. Há também receitas vegetarianas e veganas.

Cada país tem sua receita, mas o nome muda muito pouco, apesar dos diferentes idiomas: kofta na Bulgária, Índia e Israel, por exemplo; köfte em turco; qofte na Albânia. Mas todos se referem aos bolinhos de carne. Vai ver por isso é fácil de confundir com outros nomes.

Aqui no Brasil, o prato foi introduzido pelos imigrantes do Líbano e da Síria, que vieram para cá após o fim da Primeira Guerra Mundial e o fim do Império Turco-Otomano. Aliás, esse é o motivo de muitos desses imigrantes terem sido chamados de turcos por um bom tempo: embora fossem libaneses e sírios, seus passaportes estampavam a palavra "turco".

Por causa disso, é bem fácil encontrar lugares em São Paulo que servem o prato em várias versões, desde mais simples até mais sofisticadas. O Syria, do libanês Ahmad Merhi, o Vovô Ali, na região central, tem um sanduíche recheado com kafta, mas também pode ser servido à parte. Assim como o Majâz, na Vila Buarque.

O burger de kafta do Souk Burger, em Pinheiros (crédito: Divulgação)

Tem até na versão fast food: o Souk Burger, em Pinheiros, serve o KFT (hambúrguer de kafta com chutney de tomates, creme de queijo trufado, rúcula e maionese de ervas no pão de brioche com amêndoas). O prato também é obrigatório em outros restaurantes árabes já bem conhecidos do público paulistano, como a rede Almanara, o Arábia e o Saj. Se você não conhecia, agora não tem mais desculpa.

Arábia
Onde: Rua Haddock Lobo, 1395, Jardim Paulista
Telefone: (11) 3061-2203

Majâz
Onde: Rua Fortunato, 88, Vila Buarque
Telefone: (11) 3334-0118

Souk Burger
Onde: Rua Mateus Grou, 182, Pinheiros
Telefone: (11) 3062-4674

Syria
Onde: Av. São João, 1.248, Santa Cecília
Telefone: (11) 3222-2401

Sobre o autor

Pedro Marques já trabalhou em redações e restaurantes, viajou bastante pelo Brasil e pelo mundo para comer e beber bem e trabalha como jornalista de gastronomia desde 2010.

Sobre o blog

Aqui você fica sabendo sobre as coisas mais “daora” dos bares e restaurantes de São Paulo! E outras nem tão daora assim.

Blog Daora